Cinco mil protestaram em Lisboa
Assunto: Cinco mil protestaram em Lisboa
Data de Envio: 0000-00-00 00:00:00
Edição N #: 73
Conteúdo:

stal_informacao.png

 

 

 

Cinco mil protestaram em Lisboa

 

EM DEFESA DO EMPREGO, DOS DIREITOS E DO PODER LOCAL

A manifestação dos trabalhadores da Administração Local juntou hoje em Lisboa cerca de cinco mil participantes, numa acção de luta promovida pelo STAL (Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e pelo STML (Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa), que teve como objectivos centrais a condenação das medidas de austeridade levadas a cabo pelo governo, a defesa dos postos de trabalho e dos direitos e o combate contra a extinção de freguesias, a destruição do poder local e a privatização de serviços públicos.

Os trabalhadores concentraram-se ao início da manhã junto ao Conselho de Ministros, onde aprovaram uma resolução em que se afirma que «passado um ano sobre a intervenção da troika em Portugal, é devastador o rasto de destruição provocado pela política de austeridade que tem vindo a ser levada a cabo e constituem motivo de forte preocupação as medidas que a coligação PSD/CDS-PP pretende ainda impor ao país.»

A resolução destaca que aos cortes e congelamentos salariais, à redução para metade dos acréscimos devidos pela prestação do trabalho extraordinário, aos roubos dos subsídios de férias e de Natal e à chantagem do governo sobre as autarquias para que estas inviabilizem as mudanças de posicionamento remuneratório por opção gestionária, juntam-se as alterações da legislação laboral na Administração Pública recentemente apresentadas à Frente Comum, que «constituem um dos maiores ataques aos direitos dos trabalhadores da Administração pública levados a cabo após o 25 de Abril de 1974».

A extinção de freguesias prevista pela Lei 22/2012, recentemente publicada, é também fortemente condenada, porquanto «constitui um marco negro na história da democracia portuguesa e do Poder Local que conduzirá à eliminação dos serviços públicos de proximidade prestados às populações locais e coloca em causa os direitos dos trabalhadores, particularmente os postos de trabalho.»

Quanto ao projecto de reforma do Sector Empresarial Local, actualmente em discussão na Assembleia da República, STAL e STML consideram que «promove acintosa e despudoradamente a privatização da grande maioria destas entidades e potencia a passagem à mobilidade especial ou o despedimento de milhares de trabalhadores».

Na resolução aprovada o governo é ainda acusado de fazer pender sobre as autarquias locais uma autêntica guilhotina, seja pela Lei dos Compromissos que restringe drasticamente a sua capacidade de investimento, «seja pelo recente acordo assinado com a Associação Nacional de Municípios, que parecendo à primeira vista pretender “revitalizar as economias locais” com uma linha de crédito de mil milhões de euros, a sua aplicação atenta contra a autonomia do Poder Local, agravará as condições de vida das comunidades autárquicas, designadamente pelo aumento generalizado de impostos, taxas e tarifas, e, claro está, promove mais um ataque aos direitos dos trabalhadores.»

Estas são razões mais do que suficientes para que os trabalhadores intensifiquem a luta, pelo que os manifestantes decidiram:

  1. Condenar as alterações laborais para a Administração Pública e para a Administração Local, particularmente a mobilidade especial e territorial, o banco de horas, a adaptabilidade dos horários de trabalho, a cessação do contrato por mútuo acordo e a redução de cargos dirigentes da Administração Local.
  2. Condenar o projecto de reforma do Sector Empresarial Local, exigindo que seja acautelada a remunicipalização dos serviços em oposição a qualquer lógica de privatização e que sejam salvaguardados direitos dos trabalhadores, particularmente o local de trabalho.
  3. Afirmar a determinação de continuar o combate em defesa do Poder local Democrático, contra a extinção de freguesias, pelos direitos e postos de trabalho, por serviços públicos de qualidade e acessíveis às populações.
  4. Considerar que a intensificação da luta dos trabalhadores e das populações constitui um factor indispensável para o combate às inevitabilidades e a exigência de uma mudança efectiva no rumo do País, apelando desde já aos trabalhadores da Administração Local e Regional para que participem activamente nas manifestações da CGTP-IN que se realizarão nos próximos dia 9 de Junho, no Porto, e 16 de Junho, em Lisboa

icon 06-06-2012 - Manifestação 6 Junho - Resolução Aprovada (156.74 kB)

Ver fotos

Ver video

[SUBSCRIPTIONS]


Petição - assinatura em papel
Petição - assinatura online
Cartaz
Carta apelo
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
emprego.jpg
entidades.png
SEDE NACIONAL
Lisboa

Rua D. Luís I, 20 F
Tel: 210958400 | Fax: 210958469
Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o JavaScript terá de estar activado para que possa visualizar o endereço de e-mail
©2012 STAL, todos os direitos reservados.