Concentração contra o golpe militar nas Honduras PDF Imprimir e-mail
28-Jul-2009

SOLIDARIEDADE COM O POVO DESTE PAÍS

Hoje, 28 de Julho de 2009, quando se cumpre um mês do golpe militar nas Honduras, um grupo alargado de organizações da sociedade civil portuguesa (ver final deste texto) realiza um acto de protesto frente ao antigo Consulado das Honduras em Lisboa (Praça do Rossio, Nº 45), às 19 horas,  à semelhança de outras mobilizações que se têm vindo a realizar por todo o mundo, apoiando a forte resistência do povo hondurenho na defesa da sua liberdade e dignidade. 

A pressão internacional é fundamental para reverter a situação! O que está a acontecer nas Honduras, além de constituir inaceitáveis violações dos direitos humanos e da soberania do povo, pode contribuir para marcar o futuro da região e quaisquer tentativas de construção de um outro mundo que reclamamos possível e urgente.  

No passado dia 28 de Junho, as Forças Armadas das Honduras executaram um golpe de Estado contra o governo de Manuel Zelaya, o qual estava a preparar uma consulta popular para perguntar às/aos hondurenhas/os se concordariam ou não com a convocatória de uma Assembleia Nacional Constituinte, cujo objectivo central seria elaborar uma nova constituição com plena participação de todos/as os/as actores/as sociais do país. 

Poucos dias depois do golpe, liderado pelo então presidente do Congresso Nacional, Roberto Micheletti -descrito pelos movimentos sociais hondurenhos como um fantoche da oligarquia- foi decretado o Estado de Sítio, procedendo-se à militarização das instituições e das principais cidades do país, à restrição drástica das comunicações internacionais e à intervenção de diversos meios de comunicação que não apoiam os golpistas. A ditadura iniciou uma forte repressão sobre os movimentos sociais e populares, tendo já havido numerosas detenções e mortes que têm sido denunciadas por entidades de defesa dos direitos humanos.  

O que está a acontecer nas Honduras não é um facto isolado, faz parte duma estratégia conservadora que conta com a conivência, entre outros, dos Estados Unidos para garantir a continuidade do neoliberalismo na Améria Latina, face aos avanços de vários povos deste continente na defesa da sua soberania e de sistemas sociais mais justos e igualitários. Também não é um facto novo, pois infelizmente faz lembrar as sinistras ditaduras do “encerro, desterro, enterro” instauradas contra povos que ousaram questionar a estruturação injusta das sociedades e das relações internacionais.  

Para travar este brutal esmagamento da esperança do povo hondurenho, está a consolidar-se uma grande resistência, com importante participação das mulheres, apesar da forte vigilância e repressão do novo governo golpista. Diariamente, manifestações populares, greves e outros actos de protesto sucedem-se por todo o país, tendo sido lançado um apelo à comunidade internacional para solidarizar-se com o povo das Honduras e mostrar com veemência o seu repúdio da ditadura e da brutal repressão iniciada desde o golpe militar. 

O povo português não pode ficar indiferente perante estes factos! 

 

APELAMOS À MOBILIZAÇÃO

Pelo reestabelecimento da democracia, sem derramamento de sangue!

Pelo fim da repressão contra o povo das Honduras!

Pelo direito dos povos a decidirem o seu destino! 


Subscritores (aberto à adesão de outras organizações / grupos)

Acção Humanista Cooperação e Desenvolvimento

Abril – Associação Regional para a Democracia e o Desenvolvimento

AJPaz – Acção para a Justiça e Paz

Associação de Amizade Portugal-Cuba

Associação para o Desenvolvimento Rural de Lafões

Associação Lusofonia, Cultura e Cidadania

Associação Seres

ATTAC Portugal

Casa do Brasil de Lisboa

CGTP – IN

Colectivo Mudar de Vida

Colectivo Mumia Abu-Jamal

Colectivo Política Operária

Colectivo Revista Rubra

Comissão de Paz do Seixal do CPPC

Conselho Português para a Paz e Cooperação

Coordenadora Portuguesa da Marcha Mundial das Mulheres

Federação Nacional dos Sindicatos dos/as Trabalhadores/as da Função Pública

Fórum pela Paz e pelos Direitos Humanos

Frente Anti-Racista

Mó de Vida – Cooperativa de Comércio Justo

Movimento Democrático de Mulheres

Não te prives – Grupo de Defesa dos Direitos Sexuais

Olho Vivo – Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens

Tribunal-Iraque

Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal

Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul

Sindicatos dos/as Trabalhadores do Município de Lisboa

Solidariedade Imigrante – Associação para a Defesa dos Direitos das/os Imigrantes

SOS Racismo

UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta

União dos Sindicatos de Lisboa
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >

SEDE NACIONAL
Lisboa

Rua D. Luís I, 20 F
Tel: 210958400 | Fax: 210958469
Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o JavaScript terá de estar activado para que possa visualizar o endereço de e-mail
©2012 STAL, todos os direitos reservados.